jusbrasil.com.br
28 de Março de 2020

Novo Código de Ética da OAB endossa o Marketing de Conteúdo

Entenda porque, apesar de bastante restritivo com a publicidade profissional eletrônica, o novo Código abre uma brecha para a estratégia de marketing que mais cresce no Brasil.

Ricardo Orsini, Administrador
Publicado por Ricardo Orsini
há 4 anos

Novo Cdigo de tica da OAB endossa o Marketing de Contedo

Quando o novo Código de Ética e Disciplina da OAB foi aprovado e publicado, muitos profissionais vieram a público para tratar do assunto.

Basicamente, se criticou a excessiva restrição deste instrumento com relação à publicidade feita por Advogados e escritórios através da Internet.

O Art. 46 do instrumento deontológico dá os contornos de como um Advogado deve usar a Internet como forma de publicidade em sua atividade:

Art. 46. A publicidade veiculada pela internet ou por outros meios eletrônicos deverá observar as diretrizes estabelecidas neste capítulo.

Parágrafo único. A telefonia e a internet podem ser utilizadas como veículo de publicidade, inclusive para o envio de mensagens a destinatários certos, desde que estas não impliquem o oferecimento de serviços ou representem forma de captação de clientela.

Note que o texto veda qualquer forma de oferecimento de serviço ou captação de clientela através da Internet.

Mas, perceba também, que o caput autoriza o uso da Internet e outros meios eletrônicos como veículo de publicidade, desde que observadas as diretrizes estabelecidas neste capítulo sobre publicidade.

Isso nos remente ao mais principiológico dos dispositivos referentes à publicidade, o Art. 39:

Art. 39. A publicidade profissional do advogado tem caráter meramente informativo e deve primar pela discrição e sobriedade, não podendo configurar captação de clientela ou mercantilização da profissão.

Aqui, temos uma autorização expressa para que se possa praticar o Marketing de Conteúdo na Advocacia.

Mesmo que a intenção do Conselho Federal tenha sido a de tentar impedir Advogados de usar a Internet para alcançar resultados, acabou endossando uma das estratégias de marketing digital que mais crescem no Brasil: o marketing de conteúdo.

O que é o marketing de conteúdo?

Novo Cdigo de tica da OAB endossa o Marketing de Contedo

O marketing de conteúdo é uma estratégia de relacionamento e engajamento.

Está longe das estratégias tradicionais de publicidade por meio da oferta de serviços e produtos ou de captação de clientes.

Através da criação de conteúdo informativo relevante e valioso, é possível que um Advogado atraia a atenção de um determinado público na Internet, gerando uma perspectiva positiva com relação à sua marca jurídica.

Tudo isso, sem a necessidade de tentar captar clientes ou falar dos seus serviços.

Aliás, no marketing de conteúdo, o ideal é que não se misture propaganda e publicidade com geração de conteúdo.

O conteúdo está a serviço da construção da autoridade, através de uma legítima e autêntica vontade de ajudar as pessoas.

Empresas brasileiras que criam conteúdo para Blogs, canais de vídeo, páginas em redes sociais, tem conseguido diminuir bastante seus custos com marketing e, por outro lado, não só aumentar, mas qualificar o seus resultados.

Segundo relatório do Content Marketing Institute de 2015, a produção de conteúdo é a segunda grande tendência do marketing, atrás apenas da customização da experiência do usuário, que é uma estratégia muito distante da realidade da Advocacia brasileira.

Produzir conteúdo como estratégia de marketing jurídico começa a se tornar realidade aqui no Brasil.

Jovens advogados começam a dar mostra que a produção de artigos para blog, postagens em redes sociais, eBooks, vídeo aulas e webinários dão resultados efetivos do ponto de vista da construção da autoridade.

Isso, sem a necessidade de apelar para os tradicionais expedientes desabonadores do Código de Ética.

A Advocacia está preparada para o marketing de conteúdo?

Novo Cdigo de tica da OAB endossa o Marketing de Contedo

Tenho percebido, na atividade em redes sociais e de websites, principalmente dos grandes escritórios, que esse novo marketing digital, focado no conteúdo, tem sido praticado, mas reproduzindo formas de publicidade que já não dão resultado.

Os erros mais frequentes são:

  • usar as mídias digitais para falar de si mesmo e do seu escritório, e não dos problemas e questões relevantes ao público;
  • não produzir conteúdos relevantes, que resolvam problemas reais de clientes potenciais;
  • reproduzir o formato de conteúdo da grande mídia de maneira institucional, produzindo notícias que não interessam a ninguém;
  • uso de linguagem técnica e jargão profissional pouco acessível aos clientes potenciais;
  • criação de conteúdo irrelevante, apenas como artifício para captar clientes.

O aprendizado é longo, mas acredito que é a grande tendência para a Advocacia dos próximos anos.

Quem conseguir produzir descobrir seu público na Internet e produzir conteúdo relevante para ele, vai conseguir fazer a diferença, sem precisar jogar o Código de Ética na lata de lixo.

Caso queira saber mais sobre o assunto, confira meu artigo sobre o Inbound Marketing como estratégia de conteúdo na Advocacia.

15 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Muito bom, Ricardo, ótimo mesmo. Que bom que tem gente que enxerga assim, pois essa é a saída realmente. Já que estamos bem amarrados é preciso sair dos nós e encontrar uma estratégia que seja boa para os profissionais, mas agregue valor para as pessoas e até mesmo faça a ponte entre advogados e potenciais clientes =] Parabéns pelo trabalho. continuar lendo

Acredito que este é o caminho, Matheus. Muito obrigado pelo seu comentário! continuar lendo

Estava mais do que na hora. Mesmo que há muito marketing digital sem limite, é necessário que a classe comece a utilizar-se dos novos meios de divulgação, para não ficar fora da realidade. Como se nossa classe fosse imune ao que ocorre na sociedade tecnológica. Não concordam? continuar lendo

Concordo totalmente, Antonio Dias. A Advocacia é uma prestação de serviço realmente diferenciada, temos que reconhecer, mas isso não significa que ela está fora da realidade de outros mercados. continuar lendo

Excelente artigo sobre o marketing de conteúdo. continuar lendo

Muito obrigado, Raphael. Espero ter ajudado! continuar lendo

Acho que diante da forma agressiva com que as demais organizações profissionais se manifestam ainda estamos muito amarrados, se levarmos em conta o avanço do mundo virtual poderíamos ter avançado um pouco mais. continuar lendo

Concordo contigo, Jairo! Acredito que a Ordem perdeu a oportunidade de modernizar a Advocacia de forma responsável. O ruim de não enfrentar este debate sobre a publicidade profissional diante dos avanços tecnológicos é que muitos profissionais vão chutar o Código de Ética na lata de lixo. Uma pena! continuar lendo

Excelente texto Ricardo. Parabéns. continuar lendo

Muito obrigado, Thiago. Que bom que gostou! continuar lendo